Pré-estreia de Menino 23 gera debate sobre racismo

29 de abril de 2016

Com lançamento “fora do convencional”, filme de Belisário Franca revela heranças da escravidão no Brasil.

No dia 14 de abril, a Oi Kabum! Rio recebeu a pré-exibição do filme documental Menino 23, dirigido por Belisário Franca, que narra a história de preconceito e violência sofridos por crianças negras retiradas de um orfanato do Rio de Janeiro e enviadas para fazer trabalho escravo durante os anos 1930. Após a exibição, houve um debate com o diretor.

Belisário decidiu com este longa ir “além de um lançamento convencional”, como ele diz. Ele quer levar o filme para escolas, faculdades e jovens, com o objetivo de ter uma discussão mais ampla em toda a sociedade sobre os temas tratados, que estão tomando cada vez mais espaço entre os jovens. O filme já foi pré-exibido na USP, na Unicamp, na UERJ e agora na Oi Kabum!.

No debate iniciado com os alunos após a sessão do filme, falou-se sobre heranças da escravidão e sobre a produção audiovisual no Brasil. Ao ser questionado sobre a dificuldade de conseguir financiar um documentário que aborda o racismo, Belisário diz que grandes empresas não querem ter seu nome relacionado a temas como esse, o que deixa aparente que é um tabu falar sobre racismo no Brasil. Mas ele segue otimista, dizendo que com diversas leis de incentivo ao audiovisual está mais fácil conseguir ter qualquer filme financiado, reforçando a importância que essas leis têm para o mercado.

Falando sobre a produção de seu documentário, que levou quatro anos para ser completado, o diretor contou sobre sua relação com Aloísio, o “Menino 23”. Somente dois anos depois de conhecê-lo, ele conseguiu contar sobre o caso ocorrido quando ainda era criança. Segundo Belisário, houve muitas viagens para se encontrar com Aloísio durante todo o tempo, para que ele ficasse confiante e quisesse falar com a equipe.

Menino 23 é um documentário sensível e poético, traz à tona temas pouco discutidos e que merecem ganhar espaço em todos os meios de comunicação, com um tipo de lançamento que foge dos padrões. A esperança é que as discussões sobre o tema perdurem por muito tempo e tragam mudanças em um país que ainda carrega as heranças da escravidão.

O filme estreia em julho nos cinemas. Saiba mais pelo site: www.menino23.com.br.

(Eloi Leones, aluno de Vídeo da Oi Kabum! Rio)

Comentários